Terra de Direitos: 15 anos na luta por direitos humanos e por democracia

15/06/2017
Terra de Direitos

A Terra de Direitos completa 15 anos de atuação neste dia 15 de junho. Durante esse período, a organização vivenciou importantes conquistas e enfrentou desafios que fortaleceram sua compreensão de que a democracia e a justiça social são fundamentais para a construção de uma sociedade livre, justa e solidária em nosso país - terra de muitos povos, culturas e identidades.

Essa trajetória não teria sido possível sem a parceria de pessoas e coletivos que estiveram conosco nas mais diversas frentes de luta e resistência. Nossa gratidão e reconhecimento a todos os parceiros e parceiras que permitem que nossos trabalhos sejam desenvolvidos.

A equipe da Terra de Direitos historicamente é formada por pessoas que, para além da capacidade técnica em suas áreas, militam na defesa dos direitos humanos e possuem compromisso com as causas populares. As conquistas da Terra de Direitos são também das milhares de pessoas que ajudam a escrever nossa história!

 

Equipe Terra de Direitos

 

Novidade | Nesse tempo de celebração e de renovação de seus compromissos com as lutas populares, a Terra de Direitos renova também sua marca e seu site. Essa é uma forma de transmitir a todas as pessoas o novo momento que vive a organização. É uma aparência mais dinâmica, para um trabalho que ainda é sério!

 

Histórico

 

A Terra de Direitos surge em um contexto de intensa repressão e criminalização dos movimentos sociais e da luta pela reforma agrária, principalmente no Paraná. Entre 1994 e 2002, 16 trabalhadores rurais sem terra foram assassinados no estado. Um desses casos – a morte de Antônio Tavares, em 2000 –, resultou na condenação do Estado durante o Tribunal Internacional dos Crimes do Latifúndio, realizado em Curitiba em maio de 2001.

O Tribunal Internacional dos Crimes do Latifúndio foi um dos eventos embrionários da criação da Terra de Direitos. A articulação de ativistas, advogados populares e militantes de movimentos sociais em torno da atividade contribuiu para que fosse pensando um espaço de combate às violações e de promoção dos direitos humanos.   

Garantir que as pessoas tenham acesso à terra é uma das formas de possibilitar a efetivação desses direitos. No campo, eram frequentes os conflitos envolvendo trabalhadores rurais, indígenas e povos e comunidades tradicionais – como quilombolas – reivindicavam terra para sobreviver e desenvolver sua cultura. No Paraná, também era grande o número de conflitos fundiários urbanos, com a constante realização despejos forçados.

Por essa razão, a Terra de Direitos é criada em Curitiba, no dia 15 de junho de 2002, com o compromisso de lutar pela garantia do acesso à terra urbana e rural através dos instrumentos da assessoria jurídica popular.

A experiência acumulada na Rede Nacional de Advogados e Advogadas Populares (Renap) contribuiu para a formação da organização, que surge com a proposta de desenvolver suas ações em parceria com coletivos e movimentos sociais.      

Os primeiros anos de trabalho da Terra de Direitos foram intensos, com registro de inúmeras situações de despejos forçados e de militantes de movimentos sociais presos. No início, a organização acompanhava cerca de 180 processos judiciais relacionados à questão de conflitos pela terra.

Com o passar dos anos, o trabalho da Terra de Direitos foi se estendendo para outros eixos de atuação, que a organização entende como transversal na luta pela efetivação dos direitos humanos. Atualmente, são desenvolvidos ações em quatro eixos: Terra, território e Justiça Espacial; Biodiversidade e Soberania Alimentar; Política e Cultura de Direitos Humanos e Democratização da Justiça.

Pesquisas, formações e assessoria jurídica para comunidades e movimentos sociais são algumas das ações da Terra de Direitos. A organização também integra espaços de articulação da sociedade civil,em âmbito nacional e internacional, e promove ações para incidência (advocacy) e responsabilização (accountability) em direitos humanos.

A Terra de Direitos também ampliou seu trabalho para outras regiões do país. Entre 2006 a 2012, desenvolveu atividades no estado de Pernambuco.Desde 2009, está presente com escritório em Santarém, no Oeste do Paraná. Em 2011, também abriu um escritório em Brasília.

Atualmente, a equipe da Terra de Direitos é composta por 18 pessoas militantes de diversas frentes de luta, organizadas internamente nas áreas administrativa-financeira, advocacia e comunicação popular.

--

LEIA MAIS

Pelos 15 anos, de dentro do coração | Artigo de Rosa Moura


Vi nascer a Terrinha, como gosto de chamar a Terra de Direitos, e ela já alcança 15 anos de lutas e conquistas! Desde o início, acompanhei no que pude suas atividades voltadas para o urbano e aprendi muito. Em suas salas, foram acaloradas as discussões, as mobilizações, as comemorações por vitórias e o consolo pelos desencantos... Leia
 

 

 


O terreno fértil da fronteira incerta | Crônica de Roberto Efrem Filho


​“Eu me chamo Roberto Efrem Filho e sou advogado da Terra de Direitos”. Eu disse, mas não passava dos 25 anos em 2009, a voz dificultada pela acidez nervosa no estômago, as pernas agitadas sob a mesa em que se reuniam integrantes do Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos em Pernambuco. Leia