Notícias / Notícias



Massacre de Pau D'Arco: lista de marcados para morrer leva organizações a pedir intervenção e proteção federal na região


As ameaças de morte aos trabalhadores rurais e parentes das vítimas do Massacre de Pau D'Arco vêm se intensificando no Sul do Pará. Na última sexta-feira, a primeira se concretizou com o assassinato de Rosenildo Pereira da Silva, liderança do acampamento da Fazenda Santa Lúcia, palco da chacina. Há informações, inclusive, de diversos nomes que estão em uma lista de marcados para morrer. Sabendo da situação de grande vulnerabilidade dessas pessoas, a Comissão Pastoral da Terra (CPT), a Justiça Global e a Terra de Direitos já oficiaram o Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) para que solicite ao governo federal a inclusão delas no Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos (PPDDH), assim como a utilização da Polícia Federal para garantir a segurança do acampamento e dos ameaçados, uma vez que a Polícia Militar do Pará está diretamente envolvida no massacre.

A identificação completa de algumas pessoas em situação de ameaça já foi averiguada e outras estão sendo levantadas, pois se tratam de ameaças feitas com base em informações que descrevem a função delas na luta por terra ou apelidos. A lista completa com as identificações será encaminhada aos órgãos responsáveis pela garantia da proteção assim que todos os nomes forem confirmados. De todo modo, suas vidas já estão afetadas, porque precisaram abandonar suas residências, além de evitar andar sozinhas e por locais nos quais já são conhecidas. No caso do acampamento, a situação é ainda mais grave, uma vez que ele é localizado em uma área isolada – o que facilita ataques àqueles que entram ou saem do local. Por isso a necessidade de uma escolta permanente de agentes da Polícia Federal na região.

A prisão de 13 policiais envolvidos no massacre na segunda-feira, dia 10, foi um passo importante, mas que também aumenta o risco para essas pessoas, especialmente porque já há fortes indícios de que as investigações vão conduzir aos nomes dos mandantes do crime. A atuação criminosa dos latifundiários da região há décadas é apontada por organizações e movimentos sociais. Agora, de acordo com declarações do Ministério Público do Estado do Pará, existe a possibilidade de se comprovar essa ligação entre os grandes proprietários de terra e agentes públicos para a realização de assassinatos encomendados, o que também pode gerar um forte clima de vingança entre os acusados.

É preciso que o Incra nacional intervenha no caso para garantir um encaminhamento acerca do conflito fundiário. Há indícios de grilagem na área da fazenda Santa Lúcia, fazendo-se necessária a intervenção do órgão para realizar estudos de sua competência e tomar as medidas cabíveis. A investigação do caso, por si só, não colocará fim à situação de conflito, já que é a questão fundiária que estrutura a violência na região. A fazenda em questão está nas mãos da Família Babinski e, desde 2013, está em disputa.

Outro problema grave na região é que o estado do Pará, até hoje, não implementou o seu Programa de Proteção a Defensores, que poderia garantir também a segurança das pessoas no Sul do Pará. Criado pela Lei 8.444, de 6 de dezembro de 2016, o programa precisa ser implementado urgentemente pelo governador Simão Jatene. Isso pode garantir não apenas a segurança dos envolvidos no caso de Pau D'Arco, mas também de todas e todos aqueles que estão ameaçados por conflitos no Pará.

Comissão Pastoral da Terra

Justiça Global

Terra de Direitos

Foto: Antonio Carlos/ Repórter Brasil



Notícias Relacionadas




Ações: Conflitos Fundiários, Defensores e Defensoras de Direitos Humanos
Eixos: Política e cultura dos direitos humanos, Terra, território e justiça espacial