Biblioteca

Milícias privadas

Eduardo Anghinoni | Noroeste do Paraná

foto_eduardo_broto_dia4_pq Por 4 votos a 3, os jurados que compuseram o Tribunal do Júri desta quarta-feira (27) decidiram pela condenação de Jair Firmino Borracha, acusado de matar, em 1999, Eduardo Anghinoni – irmão de uma das principais lideranças do MST no Paraná. A condenação foi de 15 anos, mas Borracha poderá recorrer a decisão em liberdade.

Arquivado em Casos emblemáticos com as tags , , , ,

Júri do caso Eduardo Anghinoni: veja toda a repercussão na imprensa

A realização do Júri do assassinato de Eduardo Anghinoni mobilizou a imprensa, que acompanhou todo o julgamento e noticiou a condenação inédita do pistoleiro (saiba mais sobre o caso). Veja abaixo os principais links das notícias. Read more on Júri do caso Eduardo Anghinoni: veja toda a repercussão na imprensa…

Arquivado em Sala de mídia, Terra de Direitos na mídia com as tags , , , ,

Familiares esperam “que se faça justiça”

Nesta quarta-feira (27), às 13h, terá início o júri do assassinato de Eduardo Anghinoni, morto em 1999 em Querência do Norte. Para o julgamento, foram convidadas autoridades e militantes do movimento, e já está confirmada a presença de familiares de Anghinoni.

Arquivado em Notícias com as tags , , , , , ,
Linhas de atuação: Terra, território e equidade sócio-espacial

Autoridades federais são notificadas sobre realização de júri no Paraná

A ministra da Secretaria de Direitos Humanos e o ministro da Secretaria geral da Presidência da República, foram orientados para o acompanhamento do Júri, que deverá ser acompanhado ainda por parlamentares, políticos locais e organizações de direitos humanos.

Arquivado em Notícias com as tags , , , , , ,
Linhas de atuação: Terra, território e equidade sócio-espacial

Júri Eduardo Anghinoni – 27 de julho, em Curitiba/PR

No dia 27 de julho aconteceu, em Curitiba, o Tribunal de Júri que puniu pela primeira vez um caso de milícia privada no campo. O assassinato de Eduardo Anghinoni ocorreu em Querência do Norte, noroeste do Estado, em 1999, e envolve a atuação de milícias armadas.

Arquivado em Notícias com as tags , , , ,
Linhas de atuação: Terra, território e equidade sócio-espacial

Pistoleiro envolvido em milícia privada vai a Júri inédito no Paraná

O assassinato de Eduardo Anghinoni ocorreu em Querência do Norte, noroeste do Estado, em 1999, e envolve a atuação de milícias armadas, patrocinada por fazendeiros e políticos locais para despejar, ameaçar, torturar e assassinar trabalhadores rurais sem terra.

Arquivado em Notícias com as tags , , , ,
Linhas de atuação: Terra, território e equidade sócio-espacial

Tenente que perseguia MST é condenado por tráfico internacional de armas, drogas e formação de quadrilha

Copetti Neves comandava uma quadrilha que fazia a segurança ilegal de propriedades rurais na região de Ponta Grossa, próximo a capital curitibana. A quadrilha era responsável pela perseguição, intimidação e tortura de trabalhadores rurais sem terra.

Arquivado em Notícias com as tags , , ,
Linhas de atuação: Biodiversidade e soberania alimentar, Terra, território e equidade sócio-espacial

Denúncias de Formação e Atuação de Milícias Privadas no estado do Paraná

Baixe o documento produzido pela CPT, MST e Terra de Direitos, sobre a formação de milícias privadas no Paraná.

com as tags , , ,
Linhas de atuação: Terra, território e equidade sócio-espacial

Transnacionais e Violência no campo: assassinato de Keno completa hoje dois anos

Há exatos dois anos, o trabalhador rural Valmir Mota de Oliveira, o Keno, foi executado por uma milícia armada no Centro Experimental da transnacional Syngenta.

Arquivado em Notícias com as tags , , ,
Linhas de atuação: Biodiversidade e soberania alimentar, Terra, território e equidade sócio-espacial

Engenho de cana na Zona da Mata é tema de relatório sobre violação em direitos humanos

A organização Terra de Direitos e o NAJUP – Núcleo de Assessoria Jurídica Popular – divulgam hoje (02) um relatório sobre violações de direitos humanos em engenho da Zona da Mata de Pernambuco. Além do processo para desapropriação que se arrasta mais de dez anos, a denúncia envolve ainda a formação de milícias privadas e a existência de uma lista de trabalhadores ameaçados de morte.

Arquivado em Notícias com as tags , , ,
Linhas de atuação: Política e cultura dos direitos humanos