Notícias / Notícias



Dois anos do Massacre de Pau D´arco


crédito: Gisele BarbieriNessa sexta feira (24), completam-se dois anos do Massacre de Pau D´arco, onde 10 trabalhadores rurais (nove homens e uma mulher) foram executados por policiais civis e militares no interior da Fazenda Santa Lúcia, município de Pau D’Arco, no Pará. Dois anos em que as famílias e sobreviventes dessa chacina buscam punição para os culpados, além da devida reparação por parte do governo do estado do Pará.

Uma punição que não seja somente aos policiais acusados pelo crime, mas, principalmente, para os mandantes que, continuam em liberdade, podendo patrocinar novos crimes como esse. Em abril de 2018, foram realizadas as audiências de instrução do processo onde foram ouvidas as testemunhas de acusação e da defesa. Com base na ação penal, dos 29 policiais que participaram da operação, 17 deles (13 militares e 4 civis) foram os responsáveis pela execução dos trabalhadores.

Os depoimentos também contribuiriam com a próxima etapa da investigação: apontar os mandantes da Chacina. São dois anos de impunidade, uma das causas da continuidade da violência no campo.

Em novembro de 2017, a Terra de Direitos, juntamente com outras organizações da sociedade civil e movimentos sociais, participaram de uma Missão ao local do Massacre. Na ocasião, ouviram sobreviventes, familiares das vítimas, além de trabalhadores e trabalhadoras que reocuparam a área denunciando a grilagem de terras por parte do proprietário da fazenda Santa Lúcia. Desta forma, nos somamos às essas organizações que, nesta data, exigem #JustiçaParaPauDarco.

Veja nota das organizações sobre os 2 anos do Massacre: 

Dois anos do Massacre de Pau D´arco: É preciso pôr fim à barbárie no campo!

 

Há exatamente dois anos, os corpos de 10 trabalhadores rurais assassinados no Pará desfilavam pelas ruas do município de Redenção amontoados nas caçambas de viaturas do estado. No dia 24 de maio de 2017, uma mulher e nove homens foram covardemente executados por policiais no interior da fazenda Santa Lúcia, em Pau D'arco.  O episódio, embora tenha se tornado internacionalmente conhecido como um dos maiores massacres que o conflito no campo já produziu no Brasil, permanece impune. Familiares e sobreviventes estão desamparados. Não há notícias das investigações sobre os mandantes. 

A fazenda Santa Lúcia, local do massacre e ainda hoje ocupada por 200 famílias que desejam um pedaço de terra para produzir, tem uma ordem de despejo autorizada pela Vara Agrária de Redenção. Pelo menos outras 10 comunidade estão na iminência de sofrerem reintegrações de posse na região sul e sudeste do Pará. Áreas de ocupação consolidada, como a fazenda Maria Bonita, em Eldorado dos Carajás, estão ameaçadas pela onda de despejos.

O caos fundiário que sempre interessou as oligarquias rurais e a formação do latifúndio e que foi sutilmente ameaçado pela previsão da criação de Varas Agrárias pela Constituição Federal de 1988 tem o processo de combate a grilagem de terras duramente silenciado pelo Poder Judiciário brasileiro, que ante o que denominou de "doutrina da melhor posse" autoriza sucessivas reintegrações de posse em áreas com indícios de grilagem, como a Fazenda Santa Tereza/Acampamento Hugo Chavez em Marabá. Mesmo as terras desapropriadas pelo Estado e destinadas à reforma agrária, como a área denominada Fazenda 1.200, constituída por reconcentração de terras em área de assentamento, ao arrepio da lei e por isso ocupada desde 2006, está sob iminente despejo em razão da reintegração de posse concedida à um grileiro.

Sequer a morte de dez trabalhadores rurais no Massacre de Pau D'Arco é suficiente para inibir o Estado a ter uma política agrária com clara predileção ao latifúndio. Passados mais de cinco anos de discussão judicial acerca da legitimidade do título apresentado pelos supostos proprietários da área da Fazenda Santa Lúcia - família que concentra terras em área superior ao município de Belo Horizonte - não se teve ainda uma decisão conclusiva acerca da origem do título de propriedade, existindo possibilidade de sobreposição da fazenda com área do assentamento Nicolina Riveti - e, na falta de clareza acerca da regularidade fundiária, o Estado julga que é mais justo que a área permaneça na mão de uma única família ao invés de mais de duzentas famílias.

Os sobreviventes e familiares das vítimas igualmente até hoje não receberam nenhum suporte do Estado, seja de ordem material, seja apoio psicológico para se recompor de crime tão violento. Uma mãe que perdeu dois filhos no massacre veio a óbito por não ter mais quem a assistisse face a graves problemas renais: o quadro clínico que antes era crítico apenas em razão da ineficiência do SUS, contou agora com um quadro depressivo que garantiu o avanço fatal da doença.Como resposta, o atual governo federal imobilizou o Incra, paralisou a Reforma Agrária e decretou a liberação do uso de armamentos pesados em áreas rurais. Isto reforçará ainda mais as animosidades no conflito fundiário, onde as relações sociais entre classes foram moldadas por séculos de violência, desigualdade e injustiça social.

É preciso por fim a esta barbárie. Os mandantes precisam ser responsabilizados! Pela mãe que enterrou o próprio filho, no dia do aniversário dele. Pelas crianças que ficaram órfãs, e pelos sobreviventes que fugiram pela floresta e escaparam da morte naquele dia, mas tiveram suas vidas para sempre destroçadas. Uma das vítimas, num último suspiro de imensa coragem - quem conta essa história são os próprios policiais - ao ver o irmão ser assassinado no chão, se levanta, e, segundos antes de ser executado, diz aos policiais: "eu vou morrer de pé". De pé, também exigimos o fim da impunidade e da violência no campo, pelo direito à Vida, à Terra e à Justiça!

 

- Familiares das Vítimas do Massacre de Pau D'Arco

- Acampamento Jane Júlia - Justiça para os 10 de Pau d'Arco

- Comissão Pastoral da Terra - CPT

-Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos - SDDH

- Terra de Direitos

- Justiça Global

- Comitê Brasileiro de Defensores de Direitos Humanos

 

 

 



Ações: Defensores e Defensoras de Direitos Humanos